0 comments on “Inscrições Abertas para as Oficinas da CENA”

Inscrições Abertas para as Oficinas da CENA

Vocês pediram e é claro que nós atendemos! Estão abertas as inscrições para as oficinas mais solicitadas por nossos seguidores: VOCÊ NA TELA e FAZENDO CENA.

VOCÊ NA TELA é a oficina voltada para desenvolver habilidades para os diversos formatos de telas. Seja a telinha do celular, atuando em uma web série, nas telonas dos cinemas mundo a fora atuando em filmes ou curtas ou mesmo nas telas dos televisores domésticos, esta oficina vai te proporcionar as bases para se sair bem em quaisquer projetos. Tem como público alvo pessoas que já passaram por, pelo menos, oito horas de formação em artes cênicas ou similares. No link abaixo há a descrição completa da oficina:

OFICINA VOCÊ NA TELA

FAZENDO CENA é a oficina de iniciação teatral. Voltada para aqueles que tem pouquíssima ou nenhuma experiência em artes cênicas. Nela se aprenderá conceitos básicos da cena e se obterá um primeiro contato com o teatro através de técnicas, jogos, teorias e alguns princípios fundamentais da improvisação verbal e não verbal. Saiba mais clicando no link abaixo:

OFICINA FAZENDO CENA

#vempracena

0 comments on “Café às Quatro”

Café às Quatro

E o mês de julho inicia com muitas atrações culturais relacionadas à arte cênica. E o nosso destaque de hoje vai para a peça Café às Quatro, que além de contar com nossa queridíssima professora Lorena Lima, também tem a participação da nossa ilustríssima ex-aluna do curso EM CENA TEATRO – Oficina de Prática e Montagem, Heloise Desirée e também da não menos ilustre, amiga e parceira de outros projetos, Cynthia Dessaune .

“Quatro mulheres. Uma tarde de encontros previstos ou não, num espaço que espera mulheres que esperam – ou não. Uma cafeteira que espera o pó, que espera a água, que espera ser café. Um lugar que se prepara e que espera por Cristina que espera sua amiga Helena, que não espera por ninguém. Cristina não espera Inês. Elas não esperam por Clara, que não deseja esperar mais.”

Este é o mais novo espetáculo do Grupo Beta de Teatro, que convida o público a presenciar o convívio entre as personagens, seus afetos e escolhas pessoais dentro de um espaço em que elas constroem e se desconstroem ao longo das relações – também permeadas por mudanças.

Quatro mulheres e suas imprevisíveis histórias. Mulheres que se fazem de encontros, num recorte de tempo que não revela nem começo, meio ou fim – apenas um momento de escuta, de passagem, de refazimento, de colo, descanso. Um tempo quem sabe apenas, para conversa amigável, uma pausa para um café.

SERVIÇO:
Cena Local: Espetáculo “Café às Quatro”
Classificação: 14 anos
Grupo Beta de Teatro
19 e 20/07, às 19h30
e 21/07, às 19h
Teatro Virgínia Tamanini
Duração: 50 min
Ingressos: R$ 10 (inteira), R$ 6 (comerciantes e conveniados) e R$ 5 (meia- entrada e comerciários).

Mais informações na bilheteria do Centro Cultural Sesc Glória. Funcionamento de terça a domingo, das 11h às 20 horas. Tel: 3232.4750.


E você? Já pensou em brilhar nos palcos da vida também? Preencha o formulário de espera abaixo que assim que abrirem novas vagas em nossos cursos, nós entraremos em contato.

0 comments on ““De Recreio em Recreio” – Entrevista com Brenda Perim”

“De Recreio em Recreio” – Entrevista com Brenda Perim

Os professores da CENA estão sempre engajados em projetos transformadores e em busca de novos desafios que os ajudem em seu auto desenvolvimento como profissionais e como pessoas. Hoje tivemos o prazer de conversar com Brenda Perim sobre um desses projetos.

De Recreio em Recreio” é uma realização da Cia NÓS de Teatro e tem o apoio da Secretaria de Cultura do Estado, através do edital de 004/2018 de Coletivos Artísticos Juvenis, que tem por objetivo incentivar grupos formados por jovens artistas.

CENA: Como surgiu a ideia do projeto?

BRENDA: Surgiu do desejo do Marco (Marco Antônio Reis) e meu de nos aprofundarmos e conhecermos mais o universo da Contação de Histórias, justamente por percebermos nele a possibilidade de ir para lugares que muitas peças de teatro não conseguem, promovendo o acesso à arte e à cultura para pessoas que não têm.  A proposta do De Recreio em Recreio foi justamente entrar em escolas municipais mais marginalizadas de Cachoeiro de Itapemirim, escolas que quase não conseguem se deslocar para os centros culturais no centro da cidade como o teatro Rubem Braga.

CENA: E como foi esse processo?

BRENDA: Fomos para o Rio de Janeiro fazer uma imersão cultural com o Grupo de Contação de Histórias “Ih, Contei!”, onde ficamos durante 7 dias imersos no universo da contação de histórias trabalhando questões de oralidade e repetição, aprendendo a confecção e manipulação de bonecos, os principais fundamentos da contação de histórias, e o que é indispensável para a contação de histórias e, à partir disso, surgiu a sessão “Um Cesto de Histórias” que trabalha com algumas lendas do Folclore Brasileiro.

CENA: Quais os principais desafios que tiveram de enfrentar?

BRENDA: Um dos principais desafios foi a relação com a Secretaria de Educação da cidade. Não era possível ir direto às escolas oferecer o projeto, mesmo sendo totalmente gratuito. Ao passar pela secretaria eles colocavam diversos obstáculos (mesmo gostando do projeto), receavam que ao invés de incentivar os alunos e auxiliar na formação, estes tipos de projetos atrapalhassem o desenvolvimento dos mesmos na sala de aula. O que nos impediu, inclusive, de ir a escolas mais distantes, uma vez que o rendimento destas era mais baixo. A Secretaria achou melhor ir às escolas que já  tinham um bom desenvolvimento. O nosso objetivo, na verdade, era realmente ir às escolas mais distantes, onde há uma dificuldade do acesso. A contação de histórias pode, e é, uma ferramenta transformadora no incentivo à leitura, pois aguça a curiosidade da criança para conhecer mais a história que acabou de ouvir. Mas, de qualquer forma, as escolas que foram escolhidas pela Secretaria, ainda assim, careciam muito de atenção. Muitas crianças nunca haviam ouvido falar sobre nada do folclore, outras não sabiam o que era teatro. O fato de ter duas pessoas na hora do recreio (o momento pré contação de história) já era extremamente importante para elas. Sem que a gente chamasse elas já sentavam ao nosso lado, conversavam, perguntavam, afinal, existe uma curiosidade, que necessita de estímulo para continuar a se desenvolver.

CENA: E o que você e o Marco tiraram dessa experiência?

BRENDA: O que fica pra gente é a necessidade de continuação destes tipos de projetos, para que essa semente continue sendo cultivada, para que não funcione apenas como uma ação isolada. Quando íamos embora das escolas as crianças sempre perguntavam: “vocês voltam amanhã?”. O que só ressalta que uma ação, mesmo que apenas no horário do recreio, pode ser realmente transformadora.


E você, caro(a) leitor(a)? Gostaria de fazer parte deste grupo de pessoas que quer sempre o melhor para si e para o mundo? A CENA está elaborando a oferta de cursos para o segundo semestre de 2019.

Ficou interessado(a)? Preencha o formulário de espera abaixo que assim que abrirem novas vagas nós entraremos em contato.

0 comments on “Primeira produção cinematográfica da Folgazões.”

Primeira produção cinematográfica da Folgazões.

Começaram oficialmente as filmagens de “RENO”, primeira produção cinematográfica da Folgazões.

Após uma árdua pesquisa sobre o povo renano, oriundo da região da Renânia, oeste da Alemanha, os irmãos André e Eduardo Kuster escreveram o “Dicionário Português – Renano” que se tornou o ponto de partida para este incrível curta-metragem de ficção que contará com os próprios “renanos” como atores,  inclusive falando o dialeto renano. Os renanos são numerosos no ES, mas sua história ainda não foi contada de maneira ampla para o capixaba e para o Brasil.

É a primeira vez que  Leonardo Magalhães (Foca), nosso estimado professor da CENA, assume a direção de um filme, um desejo de longa data que se realiza com a produção deste curta. Ele nos conta:

Estamos fazendo uma ficção que conta as dificuldades vividas por uma família descendente de imigrantes alemães vindos da região do rio Reno. A vida dura da lavoura, a exploração comercial, a necessidade da inclusão da criança na labuta da lavoura… são alguns pontos retratados. O maior desafio, além dos que já encontramos em boa parte das produções, foi o de preparar e dirigir agricultores, descendentes de alemães, em cenas com boa carga emocional e falando na língua renana (uma variação do alemão), pois o que motivou a realização desse filme é justamente recuperar e motivar entre a comunidade a fala e a cultura que vem se perdendo nas novas gerações.

Foca diz que está muito entusiasmado com o projeto e também muito grato aos envolvidos que assumiram seus papéis com muita dedicação e carinho. O Último bloco de filmagens está previsto para o fim deste mês, em Domingos Martins-ES,  e a equipe não vê a hora de voltar ao set e concluir essa singela história.


Ficha Técnica:
Idealizadores: Eduardo e André Kuster Cid
Produtor: Eduardo Kuster Cid
Linguista: André Kuster Cid
Direção Geral: Leonardo Magalhães
Roteiro e Assist. de Direção: Duílio Kuster Cid
Direção de Fotografia: Fábio Martins
Direção de Arte: Diego Nunes
Som Direto e Design de Som: Fernando Paschoal
Assistente de produção: Delvânio Pereira da Silva e Yasmin dos Santos Dias
0 comments on “Buffalo’s Show Estreia nesta Sexta-Feira”

Buffalo’s Show Estreia nesta Sexta-Feira

Buffalo’s Show é o mais novo espetáculo da Folgazões, uma tragicomédia com toques de brasilidade que apresenta o lendário caçador de búfalos e criador dos shows de Velho Oeste, Buffalo Bill, envelhecido e esquecido em sua casa, até que a visita de um antigo conhecido permite o ressurgimento desse grande mito envolvido numa grande conspiração.

O espetáculo dialoga com o momento atual do país, inserindo discussões pertinentes em meio ao clima de Velho Oeste. Tudo isso com uma pegada crítica e, ao mesmo tempo, cômica. Ou seja, com a marca registrada da Folgazões.


Serviço:
Buffalo’s Show
Texto: Duílio Kuster Cid
Direção: Nieve Mattos
Elenco: Leonardo Magalhães – Buffalo Bill
Duílio Kuster – Basil Zaharoff
Lorena Lima – Cabocla
Gênero: Tragicomédia/farsa
Classificação: Livre

Estreia
Dia 14 de junho, 20h – Teatro Folgazões – Gratuito (retirada 1h antes do espetáculo)

Temporada
Dias 16 e 20 de junho – 19h – Teatro Folgazões – Gratuito (retirada 1h antes do espetáculo)
Dia 22 – 19h – Teatro Sesc Glória – Ingressos na bilheteria (R$10/R$5)

Produção: Folgazões Companhia de Artes Cênicas
Apoio: Funcultura 2018 – Secretaria de Estado da Cultura – Governo do Espírito Santo

0 comments on “O último encontro antes da escolha do texto.”

O último encontro antes da escolha do texto.

Sábado (04/05/2019) foi dia de CENA ! O último encontro antes da escolha do texto que será montado. Foram duas aulas: Dramaturgia II e Interpretação, dando sequência ao trabalho que havia sido encaminhado na aula do dia 13/04/2019, que foram ministradas as aula de Cenografia, Figurino, Maquiagem II e Dramaturgia.

A ideia era dividir a turma em grupos e trabalhar simulando uma montagem teatral, uma cena curta de textos escolhidos pelos professores. Nas aulas do dia 13 foi idealizada a construção cenográfica e foi feita uma discussão de autores do Teatro Contemporâneo até o Séc.XX. E nesta aula, dando continuidade a essa atividade, foram selecionados dois textos para serem adaptados e encenados pelos alunos. Houve uma rápida orientação sobre alguns cuidados que devem ser tomados nessa adaptação e os alunos rapidamente escolheram fragmentos dessas dramaturgias para encenar.
As dramaturgias propostas foram: “A Cantora Careca”, de Eugéne Ionesco, texto clássico do Teatro do Absurdo e “Psicose 4:48”, de Sarah Kane, dramaturgia renomada do Teatro Pós-dramático.

Na aula de Interpretação, os grupos trabalharam com duas direções e procedimentos de interpretação diferentes, um sendo direcionado pelo professor Foca Magalhães (A Cantora Careca), o outro pelos prof. Marco Antônio Reis e pela Prof.ª Brenda Perim (Psicose 4:48). O trabalho iniciou com memorização do texto, seguindo para a experimentação dos elementos cênicos, para enfim, rapidamente desembocar na construção dos personagens.

O grupo “Cantora Careca”, trabalhou com a inversão de gênero, monotonia e robotização, aspectos interpretativos que reforçaram as características do Absurdo, causando certo estranhamento.
O grupo “Psicose 4:48” trabalhou com a androginia, por meio dos figurinos, e da interpretação masculina dada a um personagem feminino, e construções de partituras corporais como recurso de interpretação.
Em ambos os grupos houve pelo menos um ator ou atriz que trabalhou a relação com o objeto, utilizando do objeto para reforçar uma ideia interpretativa, como exemplo tivemos a Tatiana “varrendo o chão” de forma robótica em “ A Cantora Careca”.

Ao fim do encontro fizemos uma avaliação da aula. Falamos a respeito das dificuldades e facilidades de cada um, da importância e necessidade da direção, que consegue direcionar o desejo e ansiedade dos alunos e transformá-los em uma força criadora; da necessidade de escolher, e da violência da escolha para que o processo criativo prossiga. Também foi a primeira vez de muitos interpretando um personagem, realizando uma encenação concebida e ensaiada, se relacionando com o público e com o outro ator.

E por fim falamos sobre o que está por vir. No próximo encontro definiremos o texto a ser encenado e pensaremos toda a produção do trabalho.

0 comments on “E Nasce Uma Constelação”

E Nasce Uma Constelação

Exercício de mimese do Grupo criAtua

Os nossos alunos e alunas do EM CENA TEATRO – Oficina de Prática e Montagem estão em ritmo de ascensão. A cada encontro eles nos surpreendem com seu entusiasmo e dedicação. Nesse fim de semana eles escolheram o nome de sua trupe e já criaram a página no Instagram e um blog para registrar seus diários de bordo.

A CENA Escola de Atores – Teatro e Cinema tem a honra de apresentar o Grupo criAtua!

Abaixo uma palhinha do relato de Taty Marques sobre suas vivências na oficina:

Meu Primeiro Relato – Um Resumo dos Primeiros Encontros

O primeiro passo é sempre o mais difícil. No último encontro do grupo (13/04/2019) recebemos a tarefa de criar um Diário de Bordo. Minha primeira reação mental foi: “Ai, Meu Deus! Mais uma coisa para fazer!”. O problema não é o registro em si, mas o tempo que se tem que dedicar a ele. Pensei em fazê-lo por vídeo e percebi que essa é uma barreira que preciso quebrar ainda. Detesto me ver em vídeos! Não me sinto à vontade expondo minha figura. E você deve estar se perguntando o que que estou fazendo no teatro, então. Também já me perguntei isso várias vezes e a resposta é sempre a mesma: eu me sinto feliz nas aulas e eu quero superar minhas limitações. Dito isso e primeiro passo dado, como esta foi a sexta aula, vou resumir minhas impressões dos primeiros cinco encontros:

Primeiro encontro – 09/03/2019

Este foi o encontro com o objetivo de coesão e afinidade entre o grupo. Fizemos uma atividade em que tínhamos de conversar com um colega e depois, na roda, falaríamos dele para o resto do grupo sendo ele, ou seja, interpretando o colega. Foi nosso primeiro exercício de mimese embora ainda não soubéssemos o que a palavra significava. Meu parceiro foi o Alex, um jovem esbelto de 18 anos, muito falante e que gosta de gesticular. Adorei a atividade! Foi muito divertido tentar ser ele. E naquele momento já pude sentir o quanto é difícil dar vida a uma personagem de forma crível. Nas demais atividades, contamos histórias sem pé, nem cabeça; ressignificamos objetos do cotidiano e interpretamos cenas improvisadas. Tudo regado a muita dedicação e seriedade, embora as risadas fizessem coro a cada atividade.

Segundo encontro – 16/03/2019

Recebemos três novos integrantes no grupo: Mônica e Lucca – esposa e filho de Luiz; e Adriano. Trabalhamos o corpo. Foca, um dos nossos ilustres mestres, nos deu uma aula teórica de anatomia e depois partimos para a prática. Tocamos nosso próprio corpo para conhecê-lo melhor. Andamos pelo espaço atentos aos nossos movimentos, ao nosso caminhar, a nossa distribuição de peso, ao nosso equilíbrio. Lembro-me de ter visto muita semelhança entre esses ensinamentos e as práticas marciais orientais nas quais a presença é parte importante do processo. Temos de estar presentes de corpo e alma!

Para continuar lendo acesse o relato completo no blog da turma:
https://grupocriatua.blogspot.com


Quer fazer parte de um grupo seleto que sempre recebe as novidades da CENA em primeira mão? Fale com Molière, nosso Assistente Virtual
Inscreva-se: http://bit.ly/Moliere_Assistente_Virtual

0 comments on “Faça CENA com a gente!”

Faça CENA com a gente!

Estamos elaborando a oferta de cursos para o segundo semestre de 2019 e gostaríamos de ouvir a sua sugestão. Para isso, basta clicar no botão “Quero Sugerir” abaixo e preencher o formulário informando os cursos de seu interesse e os melhores horários para você. Quando as ofertas estiverem disponíveis, você será avisado(a).


Quer fazer parte de um grupo seleto que sempre recebe as novidades da CENA em primeira mão? Fale com Molière, nosso Assistente Virtual
Inscreva-se: http://bit.ly/Moliere_Assistente_Virtual

0 comments on “CONVITE para Ensaio Aberto da Peça Teatral: Buffalo’s Show”

CONVITE para Ensaio Aberto da Peça Teatral: Buffalo’s Show

Buffalo's Show - Folgazões

VOCÊ!

É, você mesmo que sempre se perguntou como funciona a montagem de uma peça teatral.  FIQUE SABENDO que aqui na CENA vai rolar ensaio aberto da nova peça da FOLGAZÕES Companhia de Artes Cênicas e você terá a oportunidade de acompanhar de perto o processo de produção e ainda  tirar suas dúvidas durante o bate-papo que vai rolar com os atores, diretora e equipe ao final da apresentação. MARAVILHA! Né?

Vai ser neste sábado (06/04/19) às 18h com entrada gratuita. Chama os amigos, a família, os cachorros, o periquito, o papagaio (a parte dos bichinhos é brincadeira, hein!) e venha ser transportado para o estado de Iowa, Estados Unidos da América, entre os séculos XIX e XX. O fantástico universo de Buffalo’s Show.

A seguir, alguns detalhes técnicos sobre a produção para você já ir se ambientando e preparando seu caderninho de perguntas.

Sinopse

Buffalo’s Show apresenta o lendário caçador de búfalos e criador dos shows de Velho Oeste, Buffalo Bill, envelhecido e esquecido em sua casa, até que a visita de um antigo conhecido permite o ressurgimento desse grande mito.

Gênero: Tragicomédia

Classificação: Livre

Ficha Técnica:

Texto: Duílio Kuster Cid
Direção: Nieve Mattos
Elenco:
-Leonardo Magalhães – Buffalo Bill
-Duílio Kuster – Zaharoff
-Lorena Lima – Cabocla
Cenário, figurinos e design gráfico: Leonardo Magalhães
Confecção dos figurinos: Regina Schmitt
Criação e operação de luz: André Stefson
Direção musical, sonoplastia e execução de trilha sonora: Dori Santana
Produção: Folgazões Artes Cênicas
Apoio: Secretaria de Cultura do Estado do Espírito Santo – Secult, recursos do Funcultura 2018.


Gostaria de fazer parte da CENA Escola de Atores Teatro e Cinema? Clique no botão abaixo e preencha a ficha de interesse. Assim que novas turmas forem abertas, você será avisado(a).

0 comments on “Início da Nova Turma de Prática e Montagem Teatral na Cena”

Início da Nova Turma de Prática e Montagem Teatral na Cena

Alunos e professores da segunda turma da oficina EM CENA TEATRO (2019) – Da esquerda para direita de pé: Emerson, Liandra, Luiz, Igor, Oswaldo, Marcelo, Tatiana, Foca (Professor), Hiáscara. Deitados: Brenda (Professora), Alex e Marco (Professor).


Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça é a nova turma da CENA que chega enchendo o palco com raça.

No último sábado, dia 09, teve início a nossa segunda turma da oficina Em Cena Teatro – Prática e Montagem. O corpo docente da CENA teve a feliz surpresa de encontrar um grupo mega talentoso e heterogêneo. Dentre os aprendizes temos profissionais publicitários, cerimonialista, economista, engenheiro, professora e estudantes. Uma diversidade de experiências, biotipos e sonhos que se juntaram para aprender sobre interpretação e como montar um espetáculo cênico do começo ao fim.

Porque sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto – ah, meu amigo! – é realidade. E já no primeiro encontro, essa trupe se entregou de corpo e alma aos jogos teatrais e demonstrou que não está aqui só para sonhar, mas também para realizar. O profissionalismo que a prática exige já pode ser sentido desde os primeiros exercícios, nos quais todos se mostraram dispostos e atentos a tudo que estava sendo proposto. Nas cenas de improvisação tivemos: dinossauros prestes a serem atingidos por um meteoro; mãe e filho brigando no cinema; bafão de ciúmes no ônibus; e para não dizer que só falamos de “flores”, houve briga política na sauna; professor tendo de lidar com assédio em sala de aula; e até criança tentando superar o medo de palhaço. A criatividade definitivamente não encontrou limites para esse grupo.

Teatro é isso! Uma mistura gostosa de imaginação, disposição, suor e lágrimas. Sejam de alegria ou de tristeza, todos os sentimentos têm sua vez na representação de cada artista que se forma em nosso palco.

E você? Também gostaria de colocar seu potencial à prova? Anseia por  brilhar nos palcos da vida? Sempre teve curiosidade de saber como é fazer teatro? Ou quer somente dominar sua timidez?

Aproveita que as inscrições para esta turma ainda estão abertas até o dia 23 de março. Enquanto as águas de março não fecharem o verão a promessa de vida está em nossos corações. Ainda dá tempo de fazer parte deste maravilhoso grupo – “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer”.

Você é protagonista da sua vida. Entre em cena.

#vempraCENA

Ficou interessado(a)? Preencha o formulário de espera abaixo que assim que abrirem novas vagas nós entraremos em contato.


Referências musicais usadas no texto:

Garota de Ipanema – Tom Jobim
Prelúdio – Raul Seixas
Águas de Março – Tom Jobim
Pra não dizer que não falei das flores – Geraldo Vandré